domingo, 14 de abril de 2013

É imoral, é ilegal e ENGORDA



 A ditadura da magreza tem que irritado num grau ultimamente, que não poderia conter o desabafo.

 As pessoas estão cada vez mais neuróticas com o que come, com a quantidade de calorias. 

 E não é por um bom motivo, como a saúde, que nesse caso, até concordo. É bom saber comer direito, em quantidades e horários corretos, isso evita doenças sérias como o diabetes , hipertenção, gastrite, ulcera, etc...

 Mas não, a maioria da população (e dentro dessa maioria o número de mulheres é sempre maior) está neurótica, não por saúde, mas por estética.

 Cada vez mais ouço amigas/conhecidas dizendo que não podem comer isso, estão evitando aquilo, precisam perder cinco quilinhos porque estão gordas (!!!). Não é exagero, elas realmente estão se sentindo enormes, e não estou falando de pessoas com obesidade mórbida não, to falando de gente que pesa sessenta quilos ou menos!

 O bagulho tá tão louco que EU estou me sentindo mal pelo tanto de comentário que ouço sobre o peso delas. 




 Aí abro um facebook, um site de humor, um G1 da vida e pipocam na tela vários banners sobre como perder peso, a dieta da artista (anoréxica) tal, como as pílulas mágicas/bruxaria te faz perder quinze quilos em um mês, como fulana perdeu trinta quilos após parir, com menos de um mês.

UM MÊS! Essas pragas estão perdendo trinta quilos em um mês!!! Manu, a mulherada da mídia (leia-se novelas e filmes), que infelizmente são as formadoras de opinião em nosso país, estão perdendo quase metade do quanto pesa em época que deviam estar amamentando, de resguardo!

 E o mundo todo acha normal! Acha incrível essa caveiras ambulantes estarem com 'corpão' (de cabide) após trinta dias do parto!

 Isso não devia ser normal, isso não devia ser usual, isso não devia ser invejado. Isso não é saudável.

 Eu tenho meu excesso de peso, claro! Não vivo de imagem pra ganhar dinheiro. Ganhei peso extra após um neuro safado me indicar um remédio (Sibelium) pra minhas crises de enxaqueca e essa praga me engordou cinco quilos em um mês. Isso me deixou bem chateada, mas tento não ficar neurótica. Tento manter a sanidade enquanto como, pra viver melhor, mais leve.

 Quando me casei, pesava uns quarenta e oito quilos, isso foi há dez anos! Eu era MUITO magra pro meu tamanho (1,58 cm) e não ficava bonito, acreditem. Depois que me casei, com o uso do anticoncepcional, passei a engordar um pouco mais, chegando aos cinquenta e dois quilos. E pra mim estava bom assim, não queria engordar mais que isso.

 Mas então veio o Sibelium, que de alguma maneira bizarra desacelerou meu metabolismo. Antes dele, podia filar uma feijoada as três da manhã que não engordava um quilinho, depois dele, tive que cortar o jantar da minha lista de refeições. 

 A última vez que me pesei estava com cinquenta e oito quilos. Não é um baita sobrepeso, mas tento evitar passar disso, regulando o tempo entre as refeições, cortando alguns petiscos, fazendo esteira todo dia... Não é fácil, mas depois dos trinta anos, perder peso não é a coisa mais simples do mundo.





 Tendo isso em mente, tento não ficar maluca com a quantidade de vezes que ouço alguém com cinquenta quilos e da minha altura, ou mais alta que eu, me dizer que está gorda. Porque se essas pessoas se sentem enormes, se vêem enormes... Meu Deus! Eu sou uma baleia, né?

 Então me lembro que as lojas também não ajudam. O padrão de numeração de roupas aqui no Brasil seria uma absurdo, se existisse um padrão. 

 Uma calça trinta oito me serve no quadril, mas fica larga na cintura, em algumas lojas só uso quarenta. Como não ficar desgostosa se uma hora a roupa te diz que você está bem e na hora seguinte outra roupa te diz que você aumentou um número?

 E quem tem busto grande e costas estreitas então... sofre duas vezes! A praga da blusa fica boa nos ombros e nas costas, mas você tem que comprar maior porque os botões da frente não fecham. Ô suplicio.





 Uma conclusão lógica é de que as modelos são anoréxicas porque vestem bem os números ridículos que a moda impõe. Já viram alguma roupa ficar feia num cabine? 

 O corpo da mulher brasileira não é e duvido que algum dia será como o da maioria dos esqueletos ambulantes que vemos nas passarelas. Quando teremos roupas boas e bonitas pra mulheres de verdade, que vemos sempre no dia a dia?





 E por isso me irrita essa mania de magreza que as pessoas estão.

 Durante muito tempo, a moda dizia que legal era ser gordinho, era sinal de saúde, de riqueza e prosperidade. Depois, o bom era ser mais cheinha, não gorda, mas com aquelas gordurinhas legais de se pegar e sentir. Na época das pinups ainda se viam as curvas das mulheres. Elas tinham 'corpo violão'.





 Hoje não. Nos dias de hoje temos que ser magérrimas pra sermos vistas e achadas atraentes. O mais curioso é que quanto mais sumimos na frente de um espelho, mais as pessoas no vêem. 

 Eu me nego.

 Me nego a ter que contar todas as calorias que consumo, toda a hora, todo dia. Me nego a ter medo de comer, seja o que for, pra me moldar ao que a moda e a sociedade acham que eu devo ser. Até quando as mulheres vão deixar que esses dois elementos mandem e desmandem em suas formas?





 Gordura demais não é saúde, magreza excessiva também não.

 As pessoas deviam parar de ter MEDO de comer, porque é isso que ando notando, pessoas comum, do dia a dia, com MEDO de comer!

  Da minha parte não rendo a essas moldes. Amo comer. Gosto de dividir boas refeições com amigos, de ir a restaurantes novos, de papear, de dividir um rodízio de fondue num dia frio com companhias agradáveis.





 E sem ter que pensar (ou de ficar sendo lembrada) no quanto que vou ter que andar de esteira no dia seguinte pra queimar todas as calorias que adquiri.

 Não to falando que como feio uma maluca, que não tenho cultura alimentar e nem posso me dar a excessos, até mesmo por questão de saúde. Mas comer bem, de tudo, regradamente, não vai me matar. Não vai TE matar, amiguinha e amiguinho.

 O que mata é o excesso. É a falta de equilíbrio. É a neurose.




...



4 comentários:

Claudia Medeiros disse...

Êta saudade de bater AQUELA feijuca de madrugada! XD

Juliana Carvalho disse...

Concordo em gênero numero e grau com tudo que foi dito... e ainda mais: enquanto essas loucas ficam por ai neuroticas pra virarem cabides, se eu faço qualquer coisa por estética é pra chegra no nivel pinup de 'gostosura' porque esteticamente falando eu acho aquele visual muito mais bonito e elegante do que esses cabides ambulantes por ai...

Blue Madness disse...

Falou bonito como sempre, Fran. Já vi muitas meninas magras e bonitas dizendo que estavam gordas (em retrospecto, eram provavelmente attention whores), e isso me faz querer bater a cabeça em algum lugar, porque facepalm simplesmente não é o suficiente.

ninde disse...

Tá desatualizada, Fran! A moda agora eh virar o Connan! Oq eh infinitamente mais bizarro! O.o